Optimizar a Lavandaria

Como na nossa antiga casa não tínhamos lavandaria, a máquina de lavar e a de secar roupa ficavam na cozinha. Uma ao lado da outra, sendo que uma ficava no lugar da máquina de lavar loiça com o microondas por cima e a outra ficava com o cesto da roupa lavada (que posteriormente ficou sendo a cama da nossa gata).

Nesta casa onde estamos agora há um espaço que tem as ligações para as máquinas e o esquentador. Se primeiro pensámos em fazer também desse espaço uma despensa só com umas prateleiras de armazém, agora começo a olhar melhor para esse espaço como um espaço que pode ficar atractivo para lavar, passar e organizar a roupa antes de a arrumar. Ou seja, uma lavandaria.

O espaço não é muito grande, deve ter à volta de 1 metro de largo por 3 metros de comprido e, por isso, terei que aproveitar o espaço em altura.

Além de que temos um tanque de lavar roupa na varanda mesmo ao lado deste espaço.

Com tudo isto em mente, vamos lá mostrar algumas ideias que recolhi no nosso melhor amigo… o Google!

Alguém com mais ideias para partilhar?!

—–

As imagens presentes neste artigo são retiradas da Web. Na impossibilidade de as creditar correctamente agradeço que, caso alguns dos autores não autorize a sua publicação, entre em contacto, para que as mesmas sejam retiradas de imediato.

The images in this post are taken from the Web. Failing the credit correctly appreciate that if some of the authors did not authorize its publication contact, for them to be withdrawn immediately.

Anúncios

Fotografar-se no Outono…

Como o outono é aquela estação do ano em que tudo parece dourado, mágico numa mistura do velho que cai e a expectativa do novo que virá… não há melhor estação para tirar fotos que ficarão lindas em qualquer álbum ou rede social.

Hoje pesquisámos ideias de fotos para recriar ou para servirem de inspiração para as vossas próprias fotos artísticas!

Quem sabe se estas não serão apenas uma desculpa para que vocês porem em uso a vossa máquina fotográfica que está lá arrumada e sozinha esperando nova oportunidade de mostrar as suas capacidades?!

—–

As imagens presentes neste artigo são retiradas da Web. Na impossibilidade de as creditar correctamente agradeço que, caso alguns dos autores não autorize a sua publicação, entre em contacto, para que as mesmas sejam retiradas de imediato.

The images in this post are taken from the Web. Failing the credit correctly appreciate that if some of the authors did not authorize its publication contact, for them to be withdrawn immediately.

Sugestão de Livro | Uma Morte Súbita

Sei que já há bastante tempo que não fazia uma sugestão de livro mas, com uma criança pequena, ler um livro torna-se um passatempo destinado aos poucos minutos livres antes de ir dormir e o cansaço, às vezes, derrota esses minutos.

Foi por isso que demorei algum tempo a acabar de ler este livro que tanta curiosidade me despertou.

É da mesma autora do Harry Potter, livros que devorei quando saíram, e é um livro para adultos! Classe na qual me enquadro de vez em quando! (piada)

Vamos lá à sinopse antes de dizer o que achei do livro:

Uma Morte Súbita é o primeiro livro para adultos de J. K. Rowling, a mundialmente famosa «mãe de Harry Potter». Acolhido com enorme expectativa, este surpreendente romance sobre uma pequena comunidade inglesa aparentemente tranquila, Pangford, começa quando Barry Fairbrother, o conselheiro paroquial, morre aos quarenta e poucos anos. A pequena cidade fica em estado de choque e aquele lugar vazio torna-se o catalisador da guerra mais complexa que alguma vez ali se viveu. No final, quem sairá vencedor desta luta travada com tanto ardor, duplicidade e revelações inesperadas?
Um livro a não perder.

O que dizer deste livro sem dizer como acaba. É um livro que choca, sou sincera, quase todas as realidades más que existem nos dias que correm estão neste livro. A morte de Barry mostra os bons e maus sentimentos dos moradores duma pequena cidade. E é em torno deste acontecimento e de ele ter vagado um lugar na assembleia que todo o livro se desenvolve.
Sendo um livro repleto de descrições das coisas, das pessoas, dos lugares conseguimos visualizar, mentalmente, todo o espaço e todas as personagens. Conseguimos ficar irritados com o que a inveja, a ambição, o dinheiro e o poder pode despoletar nas pessoas.

Mostra-nos, basicamente, como uma pequena cidade, longe das metrópoles, consegue ter os mesmos problemas que elas… os crimes, as drogas, o preconceito e a corrupção.

Se dum lado temos a parte nobre e rica, do outro temos os pobres que ninguém quer… um passar de geração em geração com os mesmos problemas, o mesmo historial… Tanto dum lado como do outro existem personagens marcantes e bem reais, sendo que todas elas estão unidas a Barry Fairbrother que, apesar de ter vivido na parte nobre tem origem humilde e, por isso, batalha pela defesa da parte pobre da cidade e une, na mesma equipa de remo, as jovens ricas e pobres. Equipa essa cujas personagens nos darão muito que pensar.

Mais não posso nem quero dizer. Apenas rematar com o como chorei com o final. Não esperava nada assim. É, simplesmente, marcante, chocante, inesperado e completamente diferente dos livros aos quais esta autora nos habituou.

Leiam! Vale a pena!