Dica da Semana | Slow Travel

slowtravel

Visitar os mesmo lugares que toda a gente em apenas dois dias não é o que propomos hoje. Hoje falamos do Slow Travel que consiste em envolverem-se com o destino que vão visitar, com os seus habitantes e os respectivos hábitos e costumes.

É o tipo de viagem que não se restringe a um quarto de hotel… dá-se preferência a uma casa, onde se possa cozinhar com produtos do local. Aluga-se uma bicicleta para explorar cada canto desse destino e compra-se um bilhete de comboio para visitar as redondezes.

O Slow Tourism contraria o estilo de turismo que se afirmou no século passado, ou seja, os charters turísticos, os all-inclusive, as excursões programadas e planeadas, os horários impostos, etc.
Hoje e dia, com o turismo massificado, deparamo-nos hoje com territórios descaracterizados, onde a cultura local desapareceu, ou foi profundamente alterada, espaços onde as populações locais viram defraudadas as suas expectativas e, em vez do suposto desenvolvimento estruturante, os destinos viram todas as suas oportunidades de sustentabilidade comprometidas. O turismo massificado é impessoal, onde o turista é um número e não vivencia o destino mas sim um “faz de conta” folclorizado.

 

Contacte, em vez disso, com espaços locais, de pequena dimensão, com os produtores, com os mercados, com as gentes… Visite aquela pequena igreja ou restaurante que não constam dos guias! Basicamente, explorar, descobrir, usufruir, são os princípios do “Slow Travel”.

Sinta-se como habitante desse destino.

Uma sugestão pessoal?! Pratique Slow Travel em Trás-os-Montes! Cada canto é um encanto, as gentes são mais que acolhedoras e ao virar duma esquina pode estar uma quinta, uma capela, um agricultor que lhe oferece uma laranja, uma couve… Aprecie o nosso país em versão Slow!

Visit the same places that everyone in just two days is not what we are proposing today. Today we talk about the Slow Travel which is to engage with the destination they are visiting, with its inhabitants and their habits and customs.

It’s the kind of trip that is not restricted to a hotel room … give preference to a house where you can cook with local products. Rent a bike to explore every corner of this destination and purchase a train ticket to visit the redondezes.

Slow Tourism contrary to the style of tourism that is said in the last century, that is, tourist charters, the all-inclusive, scheduled and planned excursions, schedules taxes, etc.
Today and day with the mass tourism, we are faced today with uncharacterized territories where the local culture disappeared, or was dramatically changed, spaces where local people saw defrauded their expectations and instead of the supposed structural development targets seen all its sustainability opportunities compromised. The mass tourism is impersonal, where the tourist is a number and not experiencing the destination but a “make-believe”.

Contact instead with local spaces, small, with producers with the markets, the people … Visit this small church or restaurant not included in the guides! Basically, explore, discover, enjoy, are the principles of “Slow Travel”.

Feel like inhabitant of this destination.

A personal suggestion ?! Practice Slow Travel in Tras-os-Montes! Every corner is a charm, the people are more than welcoming and the turn of a corner can be a fifth, a chapel, a farmer who offers him an orange, a cabbage … Enjoy our country Slow Version!

 

Advertisements